O que pode causar perda de olfato? – Além do Corona vírus

A anosmia é um dos principais sintomas do Covid-19. Mas também está associada a outras doenças respiratórias, Parkinson e Alzheimer.

Vamos saber um pouco mais?

A perda do olfato, condição conhecida pelos médicos como anosmia, ganhou destaque por causa da Covid-19. Estudos clínicos apontam que até 80% dos pacientes manifestam o sintoma subitamente. No entanto, existem outras enfermidades que provocam essa chateação.

“Você pode perder o olfato por vários motivos. Em 85% das vezes, a anosmia está relacionada à sinusite, rinite e outras doenças respiratórias ou mesmo em função de um traumatismo craniano”, destaca Marcio Nakanishi, otorrinolaringologista da Universidade de Brasília.
“Além disso, ela é causada por doenças como Parkinson, Alzheimer e câncer”

Segundo esse especialista, há basicamente três tipos de anosmia (que podem interagir entre si):

Condutiva: surge quando a passagem de ar no nariz é impedida, como em casos de gripe e rinite.

Neurossensorial: é resultado do comprometimento de células específicas ou nervos que levam a informação de cheiro para o cérebro.

Central: ocorre quando o cérebro não consegue processar direito as informações de odor. Também pode decorrer de nervos afetados, mas dentro da cabeça. As últimas duas estão atreladas a condições como Alzheimer e Parkinson.

É importante ressaltar que, nos casos de sinusite e rinite, a perda do olfato acontece gradativamente. Já na Covid-19, o sintoma dá as caras subitamente. “Pelo menos metade desses episódios apresenta uma recuperação espontânea”, afirma Nakanishi.

Especula-se que a anosmia típica do Sars-CoV-2 venha de danos de células no nariz que ajudam a transmitir os odores para o cérebro.

Em doenças crônicas e degenerativas como Parkinson e Alzheimer, a anosmia também é um dos primeiros sintomas. “Nelas e em alguns casos de tumor, deixar de sentir cheiros é comum e pode ser um importante preditor da evolução do quadro”, complementa o otorrinolaringologista.

Ou seja, se parar de sentir cheiros, converse com um especialista.

 

Como tratar perda de olfato?

Antes de tudo, cabe destacar que a capacidade de sentir odores pode voltar por conta própria. Mas existem duas formas de reverter a anosmia com o apoio de profissionais: treinamento olfatório e remédios.

No primeiro caso, o paciente deve cheirar essências de eucalipto, cravo, rosa… O protocolo pode durar de três meses a um ano. Essa terapia foi desenvolvida pelo professor Thomas Hummel, da Universidade de Dresden, na Alemanha. “Duas vezes ao dia, o paciente cheira e memoriza as essências. Aos poucos, a capacidade olfativa vai voltando”, detalha Nakanishi.

Fora isso, a administração de medicamentos às vezes ajuda a reduzir inflamações que comprometem o olfato. A indicação, claro, depende de um médico.

Durante o tratamento, a pessoa com anosmia precisa adaptar seu estilo de vida. Ao não sentir cheiro, ela eventualmente se expõe a perigos, como não identificar incêndios ou mesmo uma comida estragada.

É necessário tomar uma série de medidas, como instalar detectores de fumaça e etiquetar alimentos guardados na geladeira”.

 

A Perda de olfato também está ligada ao Alzheimer e Parkinson e é comum em mulheres

Você já imaginou como é não sentir o cheiro das coisas? Parece estranho, mas a função olfativa é diminuída em doenças neurodegenerativas, como Parkinson e doença de Alzheimer. Isso porque a capacidade reduzida de detectar odores pode sinalizar menos regeneração ou reparação de células do corpo em geral. Esse fato em si não é uma novidade para o mundo da ciência, mas um novo estudo descobriu que esse sintoma é mais comum em mulheres com idade entre 65 e 74 anos.

Publicada no periódico Journal of Alzheimer’s Disease , a pesquisa foi a primeira a fazer associações de função olfativa e desempenho cognitivo específicas para a idade e gênero na população geral. Para chegar às conclusões, os pesquisadores examinaram 4.814 homens e mulheres que tinham entre 45 e 86 anos. A cada cinco anos, suas funções olfativas eram avaliadas.

Após a análise, os cientistas descobriram que os participantes com idade entre 65-74 anos com disfunção olfativa apresentaram comprometimento do desempenho cognitivo. Curiosamente, essa forte associação não estava presente em participantes mais jovens (55-64 anos) ou mais velhos (75-86 anos). Além disso, o efeito foi mais presente nas mulheres do que nos homens. Diferenças gerais na função olfativa entre homens e mulheres podem ser a causa desse resultado.

 

Cheiro e declínio cognitivo

A associação encontrada no grupo de meia-idade pode ocorrer porque essa faixa etária entre 65-74 anos é fundamental para o início do declínio cognitivo e olfatório relacionado à idade. Em relação à faixa etária mais avançada, a associação pode estar coberta por outros fatores de risco, como hipertensão, diabetes ou doença arterial coronariana.
Segundo os pesquisadores, a disfunção olfativa precede o início do comprometimento cognitivo na doença do Alzheimer, o que destaca seu potencial como biomarcador para o diagnóstico pré-clínico precoce. O teste da função olfatória é uma maneira fácil e barata de detectar disfunções e pode ajudar a identificar indivíduos em risco de declínio cognitivo, especialmente em um estágio crucial entre os 65 e os 74 anos.

O Espaço Clínico Casa Confortt está preparado para te ajudar nessa jornada numa governança alinhada com seus tratamentos junto a médicos, fisioterapeutas, nutricionistas e a Aromaterapia Clinica à poder reconquistar sua qualidade olfativa e o seu paladar.

Vamos juntos?

#casaconfortt #spaclinico #anosmia #perdaolfativa #paladar #cuidardesi #parkinson #alzheimer #Covid #agendamentobrasil #cuidadosdaenfermagem #aromaterapiaclinica #taubate #valedoparaiba #saopaulo

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Abrir Chat
Alguma dúvida? Te ajudamos!
Alguma dúvida? Te ajudamos!

Com apenas um clique fale com nossa equipe e facilite seu atendimento.